Embrapa estuda enrugamento das folhas de soja no PR e descarta algumas hipóteses
Publicada em: 5 de dezembro de 2017

Problema voltou a atormentar os mesmos produtores que há cinco anos registram o encarquilhamento em suas lavouras. Apesar de não ter uma solução, entidade já consegue dizer o que não é, e o que deve ser feito

Daniel Popov, de São Paulo
Um velho transtorno continua a tirar o sono dos produtores de soja do Paraná e São Paulo ano após ano: o encarquilhamento, ou enrugamento de folhas. O problema é recorrente e com o passar do tempo amplia o tamanho da área afetada. Produtores reclamam de perda de produtividade e falta de solução. Embrapa vai até algumas áreas para pesquisar, não encontra razões, mas já descarta algumas possibilidades.

A deformação das folhas de soja, como se fosse um enrugamento, tem se tornado muito comum em algumas propriedades. Conhecido também como encarquilhamento o problema  aparece depois da germinação e estabelecimento normal das plantas e reduz o crescimento vegetativo.  “Em alguns casos as plantas se mantém reduzidas até o fim do ciclo.  Em outros casos, as folhas novas retomam crescimento normal”, conta o engenheiro agrônomo, Carlos Bakes, que atende casos como estes há pelo menos cinco anos, na região de São Pedro do Ivaí (PR).

Os sintomas são de deformações semelhantes às causadas por viroses ou herbicidas, com engrossamento e deformação de folhas e legumes, poucos grãos e plantas que permanecem verdes, confundindo até com ”soja louca”, explica Bakes.

Em 2016, o engenheiro agrônomo já havia relatado o problema para a equipe do Projeto Soja Brasil (leia a matéria), que além de expor o caso também buscou ajuda da Embrapa Soja para tentar entender o ocorrido. Na época a entidade foi até algumas propriedades para fazer testes e pesquisas. Neste ano, os relatos voltaram a acontecer na mesmas áreas e apesar de a Embrapa ainda não saber exatamente o que causa o problema e a solução, deu dicas sobre o que já foi descartado.

“Nossas pesquisas sobre o caso ainda não indicaram nada em definitivo. Entretanto, um fato curioso chamou a atenção: a maioria dos casos relatados e pesquisados aconteceu em solos provenientes do basalto. Se isso se confirmar mostrará relação com a formação geológica”, conta Marco Antonio Nogueira, pesquisador na área de fertilidade e microbiologia do solo da Embrapa.

Embora não saibam a causa, algumas razões já podem ser descartadas, garante a Embrapa. lembrando que vários motivos podem levar ao encarquilhamento da soja e alguns já foram descartados:

1 – Toxicidade de manganês: não é isso que está ocasionando o problema, pois os teores encontrados no solo e nos tecidos das plantas não são suficientes para causar esta toxicidade. Além disso, os sintomas encontrados se diferem deste tipo de intoxicação;

2 –  Deficiência de zinco: as plantas analisadas com o problema estão com a quantidade correta de suficiência;

3 – Teor de Boro: os estudos da Embrapa não identificaram deficiência dele nas plantas;

4 – Trips e Ácaros: segundo a entidade não foram eles os responsáveis pelo problema, Não havia vestígios de suas incidências. Além disso, apesar de os ácaros causarem encarquilhamento, os sintomas são um pouco diferentes;

5 – Soja Louca 2: esta doença causa um tipo de encarquilhamento sim, mas os sintomas apresentados nas lavouras pesquisadas eram bem diferentes, inclusive no caule da planta;

6 – Tempo frio: vários testes realizados na Embrapa Soja mostraram que esta não é a razão para tal sintoma, as plantas testadas por lá não apresentaram este enrugamento;

7 – Nematoides: nenhum dos nematoides comumente encontrados foram capazes de gerar estes efeitos nas plantas.

Segundo a Embrapa, apesar de não terem descoberto ainda a razão para o encarquilhamento das folhas de soja, o fato de descartar algumas suposições já evita com que o produtor gaste seus recursos de maneira inadequada para tentar resolver o problema. Vale ressaltar que em muitos casos, ao chegarem ao estágio reprodutivo, as plantas diminuem os sintomas e as lavouras finalizam corretamente.

“Até o momento não há consenso sobre a causa do enrugamento nas folhas de soja, Continua a dificuldade na identificação de possíveis agentes causadores e sintomas e não há indicação de estratégias de manejo para evitar o problema”, diz o pesquisador Nogueira. “Estamos tentando ajudar os produtores, que ao ouvirem suposições acabam gastando dinheiro em medidas pouco efetivas. O correto é continuar observando e anotando tudo, tamanho da área, época que surgem os sintomas, nutrientes do solo, aplicações, etc. Anotem tudo, pois depois é mais fácil procurar uma solução.”

Abaixo estão as imagens enviadas pelo engenheiro agrônomo, Carlos Bakes, das lavouras no Paraná:

Parte da lavoura afetada. Todos os anos o enrugamento acontece no mesmo local, mas a área problemática aumenta

Foto tirada ao lado da área com problema destacada acima. A diferença é clara

Em destaque, a linha de plantio afetada pelo enrugamento

Agora, destaque para as plantas sem problemas que rodeiam as áreas afetadas

Soja semeadas no mesmo dia: à esquerda as plantas sadias e à direita as enrugadas

Veja mais notícias sobre soja

 

 

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) e da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de BASF e Mitsubishi Motors. O apoio nos eventos é de Yara Brasil Fertilizantes.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 15 de dezembro de 2017

Produtores contam que preço da terra não é um empecilho e muitos conseguem implantar sistemas de irrigação para produzir ainda mais

Publicada em: 15 de dezembro de 2017

Além disso, cooperativas alertam para o risco de os preços baixos nas culturas de inverno incentivarem o aumento no plantio da soja, sem rotação dos cultivos

Publicada em: 14 de dezembro de 2017

Processo industrial garante que até uma pessoa alérgica a soja pode consumir o óleo refinado. Anvisa avaliará exigência de informação sobre alergênicos no rótulo

Publicada em: 14 de dezembro de 2017

A novidade desta etapa é que, pela primeira vez, o evento terá parceria e apoio de cinco importantes cooperativas do estado. Veja a programação completa!

Publicada em: 14 de dezembro de 2017

Novo presidente da entidade, Antônio Galvan, garante que o uso adequado do Fethab é uma de suas principais bandeiras