Especial Embrapa: confira 16 dicas para o manejo das plantas daninhas
Publicada em: 1 de novembro de 2018
daninha

Quarto dia de dicas e agora a entidade ressalta os pontos de atenção que os produtores precisam ter com as ervas invasoras

Faltando ainda mais da metade da área de 36,3 milhões de hectares, para para ser plantada com soja no país, a Embrapa preparou, a pedido do Projeto Soja Brasil, um manual completo com dicas para garantir uma boa safra. A ideia é trazer dicas para que o sojicultor se prepare e consiga ter uma temporada ainda melhor que as anteriores.

Todos os dias desta semana, o Projeto Soja Brasil divulgará um tópico diferente deste documento, desde os cuidados com o solo, métodos de plantio, combate à pragas, doenças e ervas daninhas, até chegar os cuidados com a colheita.

Confira abaixo as 16 dicas:

1 – As invasoras competem com a soja por água, luz e nutrientes, podendo, ainda, ser hospedeiras de pragas e doenças.

2 – A fase mais crítica da competição situa-se da emergência ao fechamento do dossel.

3 – Além de usar herbicidas, valer-se de tratos culturais (época semeadura, cultivares, espaçamento/densidade, cobertura do solo, entre outros).

4 – Evitar que sementes de invasoras estejam presentes nos fertilizantes ou nas sementes da soja.

5 – O manejo das plantas daninhas na cultura da soja começa na entressafra, principalmente na dessecação em pré-semeadura.

6 – Dessecar a vegetação da área onde será estabelecida a futura lavoura com a devida antecipação ao plantio. Isso será benéfico não para as plantas daninhas, mas também para pragas subterrâneas (corós, percevejo castanho, entre outros).

7 – Semear a soja somente quando a vegetação estiver dessecada completamente.

8 – Cultivares de soja com crescimento inicial mais rápido são menos prejudicadas pelas invasoras.

9 – Utilização do Plantio Direto com formação de abundante palhada inibe o desenvolvimento das invasoras.

10 – Rotação de culturas favorece ou desfavorece diferentes espécies de invasoras. Informar-se sobre quais fazem o quê.

11 – Cultura de cobertura, cultivo de milheto, aveia ou azevém na entressafra da soja são eficientes na supressão das invasoras.

12 – Existem palhadas com efeito alelopático sobre algumas espécies de invasoras. Informe-se.

13 – Monitoramento das áreas é fundamental para um bom planejamento de controle de invasoras.

14 – O uso de um único herbicida, ou de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação, resulta em seleção de plantas resistentes, o que dificulta o controle e o torna mais oneroso.

15 – Rotação e diversificação de herbicidas utilizados no controle químico são fundamentais no manejo da resistência.

16 – Umidade baixa (menos de 60%), temperatura alta (superior a 30°C), e vento prejudicam a ação dos herbicidas.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de Ihara e Mitsubishi Motors.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Embate comercial entre China e Estados Unidos e câmbio enfraquecido limitam a perspectiva de alta nas cotações do grão no Brasil. Entenda o caso!

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Por conta disso, previsão de safra apresentada foi pequena. Clima segue como fator importante para o desenvolvimento final de parte das lavouras do RS, SC e Matopiba

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

No porto de Paranaguá a saca da oleaginosa se desvalorizou R$ 2. Enquanto as praças do interior apresentaram estabilidade. Sexta abre com Chicago em alta e dólar em queda

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Na região Sudeste a condição é de muitas chuvas, assim como no Centro-Oeste e Nordeste do país. Confira a previsão para 15 dias em municípios de cada região! Você também pode pedir a previsão do tempo para sua cidade, veja como!

Publicada em: 14 de fevereiro de 2019

Média esperada nas áreas semeadas é de até 55 sacas por hectare. Entenda o embargo que proíbe a comercialização do que vem sendo colhido! Setor produtivo apoia indígenas nesta causa