Especial Embrapa: veja 6 dicas para uma boa implantação das lavouras de soja
Publicada em: 29 de outubro de 2018
plantio de soja

Foto: Soja Brasil/reprodução

Para ajudar os produtores de soja de todo o país, a entidade criou um manual completo para garantir uma boa safra. Acompanhe nesta semana todas as dicas e faça download do manual!

Faltando ainda mais da metade da área de 36,3 milhões de hectares, para para ser plantada com soja no país, a Embrapa preparou, a pedido do Projeto Soja Brasil, um manual completo com dicas para garantir uma boa safra. A ideia é trazer dicas para que o sojicultor se prepare e consiga ter uma temporada ainda melhor que as anteriores.

Todos os dias desta semana, o Projeto Soja Brasil divulgará um tópico diferente deste documento, desde os cuidados com o solo, métodos de plantio, combate à pragas, doenças e ervas daninhas, até chegar os cuidados com a colheita.

Neste primeiro dia, separamos 5 dicas para garantir um bom plantio da oleaginosa e também pontos de atenção no cuidado com o solo. “Nesta fase de estabelecimento da cultura, faz-se necessário atentar-se para os requisitos relacionados, principalmente, ao manejo do solo, escolha das cultivares, qualidade da semente, ajuste da semeadora, entre outros”, diz a Embrapa.

Veja abaixo as 6 dicas para o plantio da soja:

A entidade ressalta antes de qualquer dica que a semeadura da soja não deve ser realizado em solo sem a umidade necessária, mesmo que haja previsão de chuvas posteriormente.

1 – Em solos muito argilosos, sugere-se semear 3 dias após a chuva; em solos mais leves pode ser 2 ou até 1 dia após a chuva, depende do volume precipitado.

2 – A população ideal de plantas por hectare varia entre as cultivares, mas fica próxima a 300 mil unidades, o que corresponde a 12 a 14 plantas por metro, semeadas em fileiras distantes de 45 a 50 centímetros entre elas.

3 – Em plantios muito antecipados, cuidado com a escolha da cultivar; nem todas se adaptam bem quando semeadas muito cedo.

4 – Uma mesma região pode apresentar diferentes altitudes e, em função disto, demandar cultivares com diferentes características.

5 – Por causa da temperatura do solo, é mais lenta a germinação da soja em grandes altitudes e latitudes.

6 – A soja “safrinha” não é permitida para evitar a dispersão e sobrevivência dos esporos da ferrugem. A alta exposição dos fungicidas e risco de surgimento de resistência é um dos principais motivos para esse impedimento, embora se reconheça que a semente produzida na safrinha poderia ser de melhor qualidade, por causa do clima seco e ameno na colheita.

Nesta terça as dicas serão sobre a  produção de sementes e grãos!

Manejo do solo

O solo é o fator de produção mais importante na definição da produtividade dos cultivos; depois da água, porque sem ela não há produção. Como neste momento já não há tempo hábil para fazer o manejo, vale as dicas para o planejamento da próxima temporada, que começa agora com a rotação de culturas. Confira as 13 dicas abaixo:

1 – Solo bem manejado não apresenta compactação, erosão e é rico em matéria orgânica, razão pela qual armazena muita água, podendo suportar deficiências hídricas não muito prolongadas.

2 – Implantar o Sistema de Plantio Direto (SPD) é uma maneira inteligente de melhorar as qualidades do solo.

3 – Solos com problemas de acidez devem ser corrigidos antes da implantação do SPD para não precisar revolvê-los posteriormente.

4 – Após anos de cultivo no SPD a acidez pode voltar, sendo recomendável distribuir o calcário na superfície, para não revolver o solo.

5 – Respeitar os princípios básicos do SPD: não revolvimento do solo, rotação de culturas e formação de abundante palhada.

Solos bem manejados, permitem que se reduza a adubação para o cultivo da soja, sem comprometer rendimento (Áureo Lantmann/Arquivo Pessoal)

6 – Antes de realizar o plantio de uma nova safra, refazer os terraços danificados ou erroneamente eliminados, para conter a erosão.

7 – Evitar operar as máquinas no sentido da declividade do terreno para evitar a erosão do solo.

8 – A rotação com culturas de espécies diferentes é desejável para melhorar as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo, além de reduzir os problemas fitossanitários.

9 – Cultivos sucessivos de uma mesma cultura intensificam os problemas com insetos-praga, doenças e plantas daninhas.

10 – A integração da lavoura com a pecuária (ILP) recupera as pastagens degradadas e melhora a qualidade do solo.

11 – A ILP é a maneira mais eficiente de fazer um pecuarista fertilizar o seu pasto, através da adubação da lavoura. Pasto que virou lavoura e voltou a ser pasto, pode engordar até 5 X mais bois.

12 – Solos muito arenosos não são apropriados para o cultivo da soja por causa da sua baixa capacidade de reter água. Mas, com muita palhada, pode valer a pena.

13 – O ajuste dos equipamentos de plantio é necessário para garantir plantabilidade.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de Ihara e Mitsubishi Motors.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 9 de dezembro de 2018

Um estudo liderado pela entidade apontou que seguir as orientações Manejo Integrado de Pragas traria uma redução nos custos e elevaria a rentabilidade

Publicada em: 7 de dezembro de 2018

Cooperativas do Paraná: Caravana Soja Brasil chega a Mandaguari nesta segunda

Publicada em: 7 de dezembro de 2018

Especialistas dão dicas sobre como devem ficar as negociações diante da crise vivida entre China e Estados Unidos e do novo governo brasileiro

Publicada em: 7 de dezembro de 2018

A expectativa positiva em torno da trégua comercial entre Estados Unidos e China foi arranhada após a prisão da executiva chinesa de uma empresa chinesa de telecomunicações

Publicada em: 7 de dezembro de 2018

Segundo a Somar Meteorologia, a região Sul terá trégua das precipitações, enquanto o Centro-Oeste segue com muitas instabilidades espalhadas durante o dia