La Niña trará seca e preços da soja podem subir, apostam especialistas
Publicada em: 17 de novembro de 2017

Analistas de mercado afirmam que além de afetar a região Sul do Brasil, estiagens trarão problemas para o Paraguai e Argentina 

Roberta Silveira, de São Paulo
Daqui para frente, o clima na América do Sul vai ditar as cotações da soja no mercado internacional. Se o La Niña trouxer seca para o Sul do Brasil, isso também irá interferir no  clima do Paraguai e da Argentina e com isso, os preços podem subir. Para ajuda a volatilidade do câmbio também deve mexer com o mercado.

Na avaliação do mercado, o atraso no plantio da soja não deve prejudicar a safra pois ainda está dentro do calendário ideal para o cultivo. Mas, com a confirmação do fenômeno La Niña, ainda este ano, o clima pode ficar mais seco nos estados do Sul, Paraguai e Argentina e trazer perdas.

“Como a chuva chegou com certa abundância na região Sul, provavelmente as plantas de soja terão um enraizamento um pouco menor. Eventualmente, se tiver um veranico mais pronunciado na região, ai sim a produção pode ter  um problema”, diz Fernando Pimentel, sócio-diretor da Agrosecurity.

Não é a toa que este momento é chamado de mercado climático. E qualquer risco causado pelo clima pode fazer o preço do grão subir aqui e no exterior. “Se realmente entrar o La Niña e se confirmar uma seca na região sul da América do Sul, aí realmente terá uma tendência de preços mais firmes”, garante José Carlos Hausknecht, sócio da MB Agro.

Além do clima, a cotação do dólar também deve mexer com o preço da soja. Para 2018, é esperada maior volatilidade da moeda norte-americana por causa da eleição presidencial aqui no Brasil. “Para o lado da soja, ano de eleição não é um ano ruim. Normalmente dá muita oportunidade de boas vendas por conta deste movimento de instabilidade política”, conta Pimentel.

A negociação da safra 2017/2018 está lenta por causa do preço na Bolsa de Chicago. O valor da soja na casa dos US$ 9 por bushel, não está animando os produtores a negociar a produção. “Hoje, estamos falando de preço abaixo de US$ 10 por bushel. Mas, nestes valores mais próximos de US$ 10,50, acho que a comercialização vai andar mais rápido”, diz Pimentel.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de Ihara e Mitsubishi Motors.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Embate comercial entre China e Estados Unidos e câmbio enfraquecido limitam a perspectiva de alta nas cotações do grão no Brasil. Entenda o caso!

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Por conta disso, previsão de safra apresentada foi pequena. Clima segue como fator importante para o desenvolvimento final de parte das lavouras do RS, SC e Matopiba

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

No porto de Paranaguá a saca da oleaginosa se desvalorizou R$ 2. Enquanto as praças do interior apresentaram estabilidade. Sexta abre com Chicago em alta e dólar em queda

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Na região Sudeste a condição é de muitas chuvas, assim como no Centro-Oeste e Nordeste do país. Confira a previsão para 15 dias em municípios de cada região! Você também pode pedir a previsão do tempo para sua cidade, veja como!

Publicada em: 14 de fevereiro de 2019

Média esperada nas áreas semeadas é de até 55 sacas por hectare. Entenda o embargo que proíbe a comercialização do que vem sendo colhido! Setor produtivo apoia indígenas nesta causa