Rio Grande do Sul deve adotar o vazio sanitário? Veja o que diz a Embrapa!
Publicada em: 22 de fevereiro de 2018

Durante o Fórum Soja Brasil desta quinta, dia 22, a entidade fez uma análise da situação do estado e citou exemplos de Mato Grosso e Paraná

Daniel Popov, de São Paulo
Há algum tempo uma discussão vem ganhando força no Rio Grande do Sul: adotar ou não o vazio sanitário contra a ferrugem asiática?. Os produtores defendem que o inverno rigoroso é suficiente para impedir o avanço da doença. Entretanto dados técnicos mostram que essa já não é a realidade, com registros de plantas guaxas após o inverno e a chegada da doença mais cedo.

Durante o Fórum Soja Brasil, que aconteceu em Campo Novo (RS), na feira Expoagro, a pesquisadora da Embrapa, Claudine Seixas trouxe esta discussão em sua palestra. “O vazio é uma das estratégias de manejo contra a ferrugem asiática da soja. A ideia foi mostrar porque seria importante o Rio Grande do Sul adotar esta ferramenta, já que é um dos poucos estados a não fazer isso”, diz.

Segundo ela, todos os estados que adotaram a medida notaram rapidamente a diferença não só no atraso da chegada da doença, como também na redução do uso dos agroquímicos contra a doença.

“O exemplo mais claro é de Mato Grosso. Considerando o município de Primavera do Leste, que era conhecida na bricadeira como a capital mundial da ferrugem, a doença chegava em outubro. E depois do vazio a doença chegou em dezembro”, comenta a pesquisadora.

Claudine destaca que não foi apenas em Mato Grosso que a estratégia funcionou. No Paraná, apesar de a doença não ter atrasado tanto quanto no estado do Centro-Oeste, a ferrugem demorou para chegar. “No Rio Grande do Sul, os produtores não adotam o vazio alegando que o inverno é rigoroso e as geadas acabariam com a doença”, diz.

Mas, a pesquisadora conta que esta não é mais a realidade do estado, já que o clima não tem sido suficiente para exterminar as plantas guaxas (que surgem sem serem cultivadas). “O clima tem sido menos rigoroso e surgem relatos de soja guaxa com ferrugem. Com isso os relatos que antes surgiam em janeiro, começaram agora em dezembro”, conta.

Apesar de dizer que a Embrapa não pode recomendar oficialmente a adoção da medida, Claudine ressalta que seria importante os produtores entenderem a sua eficácia e as vantagens econômicas de se fazer isso. “Não existem muitos produtos para combate a doença no mercado e os poucos que tem,  estão perdendo eficiência. Eles poderia testar o prazo mínimo de 60 dias e ver se atrasou a chegada da doença”, conta ela.

Para o diretor executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, os produtores precisam entender que todo o esforço contra a ferrugem é válido. Apesar de os agricultores do Rio Grande do Sul acharem que não é preciso fazer o vazio por conta do clima, essa medida pode garantir a existência dos poucos produtos para controle da doença.

“Precisamos estudar essa questão e ver se realmente qual o impacto disso dentro das propriedades.  A Aprosoja lutou muito para liberar um produto contra a ferrugem, já que o país só tinha dois princípios ativos e ambos estavam perdendo eficiência. Conseguimos liberar, mas esse produto novo também está perdendo a guerra. E, o que podemos fazer? Fazer o manejo adequado para garantir a eficiência. E o vazio sanitário é importante pra isso”, garante ele.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) e da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de BASF e Mitsubishi Motors. O apoio nos eventos é de Yara Brasil Fertilizantes.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 21 de junho de 2018

Mesmo com o reajuste, valor ainda está muito abaixo do quanto se precisa para produzir uma saca. Em Goiás, por exemplo, teria que ser o dobro

Publicada em: 21 de junho de 2018

Segundo a meteorologia, esta temporada começou com clima típico em relação à chuvas, mas mais quente que o normal

Publicada em: 20 de junho de 2018

Impacto causado pela guerra comercial entre China e EUA pode fazer a remuneração adicional sobre o grão crescer ainda mais, caso as ameaças das duas potências se cumpram. Veja a análise completa

Publicada em: 20 de junho de 2018

Com isso, expectativa é de que cultura fique em condições ainda melhores nos próximos dias. Por enquanto 73% delas estão em ótimas condições

Publicada em: 20 de junho de 2018

Quase todos os estados apresentam tempo seco nos próximos dias. Em alguns municípios, não chove há mais de 30 dias e Ministério da Integração Nacional reconheceu calamidade