Soja abre em alta na Bolsa, mas dólar em baixa não ajuda preço no Brasil
Publicada em: 12 de fevereiro de 2019

Foto: Pixabay

No Brasil preços seguem estáveis em praticamente todas as praças pesquisadas, resultado de queda nas cotações internacionais e elevação do dólar

Após atingir o pior patamar em três semanas na Bolsa de Chicago (na segunda, dia 11), os contratos da soja em grão abrem esta terça-feira, dia 12, com preços mais altos nas negociações. Segundo a consultoria Safras & Mercado, o ímpeto altista é limitado pelas incertezas em relação a um acordo provisório entre os Estados Unidos e a China, que se encerra no dia 1 de março. Já o dólar abriu o dia em queda e, se mantiver assim (dólar em queda e Chicago em alta) os preços no Brasil devem permanecer inalterados.

Por enquanto, os preços da oleaginosa no Brasil seguem inalterados em praticamente todas as praças.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos permaneceu em R$ 74,50. Na região das Missões, a cotação seguiu em R$ 74 a saca. No porto de Rio Grande, os preços recuaram de R$ 77,50 para R$ 77.

Em Cascavel, no Paraná, o preço seguiu em R$ 72. No porto de Paranaguá (PR), a saca se manteve em R$ 78. Em Rondonópolis (MT), a saca permaneceu em R$ 66,50. Em Dourados (MS), a cotação se manteve em R$ 68,50. Em Rio Verde (GO), a saca caiu de R$ 68
para R$ 67.

Chicago e câmbio na segunda

Segundo o analista de Safras & Mercado, Luiz Fernando Gutierrez, o mau humor prevaleceu no mercado, com dúvidas sobre a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e uma possível nova paralisação do governo norte-americano na próxima sexta-feira, dia 15.

Com isso, os contratos da soja em grão com entrega em março fecharam com baixa de 9,50 centavos de dólar ou 1,03%, a US$ 9,05 por bushel. A posição maio teve cotação de US$ 9,19 1/4 por bushel, recuo de 9,50 centavos de dólar em relação ao fechamento anterior ou 1,02%.

Nos subprodutos, a posição março do farelo fechou com baixa de US$ 1,20 ou 0,39%, sendo negociada a US$ 304,90 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em março fecharam a 30,24 centavos de dólar, com recuo de 0,63 centavo ou 2,04%.

O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,80%, sendo negociado a R$ 3,7630 para venda e a R$ 3,7610 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7290 e a máxima de R$ 3,7760.

Chicago e câmbio nesta terça

Os contratos da soja em grão registram preços mais altos nas negociações da sessão eletrônica na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT).

Os contratos com vencimento em março de 2019 operam cotados a US$ 9,08 por bushel, ganho de 4,00 centavos de dólar por bushel ou 0,41%.

O dólar comercial abriu a sessão desta terça com queda de 0,53%, sendo negociado a R$ 3,7430 para venda e a R$ 3,7410 para compra. A moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7420 e a máxima de R$ 3,7480.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de Ihara e Mitsubishi Motors.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Embate comercial entre China e Estados Unidos e câmbio enfraquecido limitam a perspectiva de alta nas cotações do grão no Brasil. Entenda o caso!

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Por conta disso, previsão de safra apresentada foi pequena. Clima segue como fator importante para o desenvolvimento final de parte das lavouras do RS, SC e Matopiba

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

No porto de Paranaguá a saca da oleaginosa se desvalorizou R$ 2. Enquanto as praças do interior apresentaram estabilidade. Sexta abre com Chicago em alta e dólar em queda

Publicada em: 15 de fevereiro de 2019

Na região Sudeste a condição é de muitas chuvas, assim como no Centro-Oeste e Nordeste do país. Confira a previsão para 15 dias em municípios de cada região! Você também pode pedir a previsão do tempo para sua cidade, veja como!

Publicada em: 14 de fevereiro de 2019

Média esperada nas áreas semeadas é de até 55 sacas por hectare. Entenda o embargo que proíbe a comercialização do que vem sendo colhido! Setor produtivo apoia indígenas nesta causa