Soja: Aprosoja ajudará produtor a entender onde a qualidade das sementes é perdida
Publicada em: 13 de setembro de 2018
Piratas

Classificadores profissionais coletarão mais de 500 amostras em todas as regiões de Mato Grosso. Produtor que quiser participar da avaliação poderá solicitar à entidade

Muitas vezes o produtor de soja compra suas sementes e no campo descobre que as plantas não apresentam o desenvolvimento e produtividade esperados. Não é difícil o problema estar nas sementes. Mas será que elas chegam assim das sementeiras ou a armazenagem errada na fazenda é que estraga o insumo? Para responder a esta pergunta a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) fará uma pesquisa em todas as regiões do estado, uma iniciativa que faz parte do projeto chamado Semente Forte.

A entidade contratou seis classificadores profissionais homologados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para rodar as fazendas do estado e coletar amostras de sementes. Para ter validade e respaldo jurídico, caso necessário, as sementes devem ser recolhidas pelos profissionais em no máximo 10 dias, contados da chegada na fazenda, e seguir os parâmetros estabelecidos na legislação para acondicionamento de sementes na fazenda.

Abertura Nacional do Plantio da Soja – Safra 2018/2019

Após a coleta, que deve seguir o padrão do Mapa, o material é remetido para o laboratório. A Aprosoja espera obter 500 amostras de sementes.

O objetivo do projeto é verificar, por meio de análise laboratorial, não apenas a qualidade intrínseca da semente, mas principalmente como as mesmas têm chegado até às propriedades rurais. “Nossa meta é entender se existem perdas durante o transporte da sementeira até o armazém do produtor ou em qual momento estas sementes podem estar perdendo qualidade”, explica o gerente de Defesa Agrícola da Aprosoja, Daniel Pasculli.

Com a pesquisa finalizada e de posse dos resultados, a ideia é elaborar material de orientação aos produtores rurais. “Outro objetivo é: orientar sobre armazenamento de semente na fazenda e como fazer para que sejam minimizadas as perdas, que refletem em produtividade e em economia”, completa Pasculli.

Os produtores rurais que tenham interesse em ter suas sementes avaliadas podem entrar em contato com o setor de Defesa Agrícola da Aprosoja, por meio do telefone (65) 3642-4215 ou e-mail defesa.agricola@aprosoja.com.br.

Mudança na lei

Durante um encontro com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na última quarta-feira, dia 12, foi debatida a necessidade de alteração da Instrução Normativa (IN 45/2013) que trata da qualidade das sementes. A Aprosoja apresentará ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento uma minuta para alteração do texto. A atualização da norma recebeu o aval do ministro.

“O setor vai discutir uma nova normatização para melhorar os níveis mínimos de germinação para, pelo menos, 90% e instituir um percentual mínimo de vigor compatível com as perdas de produtividade. Hoje o vigor não está contemplado nas normativas para qualidade de sementes”, frisou Fernando Cadore.

Veja mais notícias sobre soja

Sobre o Projeto Soja Brasil
O projeto tem a realização do Canal Rural e da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), com a coordenação técnica da Embrapa Soja. O apoio institucional é do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB). A consultoria é de Safras & Mercado e Somar Meteorologia. O patrocínio é de Ihara e Mitsubishi Motors.

Mais notícias do Projeto Soja Brasil

Publicada em: 16 de janeiro de 2019

Para entidade, o Brasil deve ter concorrência maior na venda de derivados da oleaginosa, já que os argentinos devem se recuperar e produzir grande safra

Publicada em: 16 de janeiro de 2019

Em algumas praças, como em Santos (SP), a saca se desvalorizou R$ 3 em um dia. Mercado aponta melhoras nas lavouras brasileiras como uma das razões

Publicada em: 16 de janeiro de 2019

Além de destacar um município por estado do país, o Projeto Soja Brasil irá destacar as condições climáticas para a Fronteira Oeste do RS, que tem sofrido com o excesso de precipitações

Publicada em: 15 de janeiro de 2019

A perda dos agricultores do município pode superar os R$ 50 milhões, segundo a prefeitura. Teve sojicultor que contabiliza um revés maior de R$ 1,2 milhão. Confira todas as imagens e vídeos enviados para o Canal Rural!

Publicada em: 15 de janeiro de 2019

Segundo o Deral, o estado todo já conseguiu retirar 10% da oleaginosa do campo. Levantamento também mostra uma melhora nas lavouras restantes